quinta-feira, 11 de agosto de 2016

Miyajima, Hatsukaichi e o Santuário Itsukushima, Hiroshima 

Esta linda imagem é considerada uma das mais belas do Japão, desde os tempos antigos.
Miyajima, como a ilha é conhecida, é um dos principais pontos turísticos do Japão, localizado no Parque Nacional Seto Naikai. 
O Parque Nacional Seto Naikai recebeu várias distinções ambientais como extraordinária beleza cênica, história excepcional, área de preservação cênica e monumento natural.
A rica paisagem que a envolve como floresta virgem, o famoso Monte Misen, praias e alces - que dão as boas-vindas aos turistas - , é um magnífico cenário.
Não é pra menos que atrai muitos turistas, em qualquer época do ano.
Além dos famosos pontos turísticos, antigas casas, ryokan, muitas lojas e restaurantes, principalmente com frutos do mar, compõem a beleza da ilha.
Embora pareça confuso, é mais conhecido como Miyajima, porém passou a ter o nome oficial de Hatsukaichi, pela fusão dessas 2 cidades. Denominarei como é mais conhecido: Miyajima.
Miyajima significa Ilha do Santuário. É escrito com esses dois kanji, ideograma japonês - 宮島. O primeiro ideograma 宮 lê-se Miya, porém é  kanji de santuário. 島 Jima é a alteração fonética - pela junção de palavras - de Shima, que quer dizer ilha. Antigamente já foi chamada de Kōnoshima, Ilha dos Deuses. 
A ilha tem muitos templos e santuários com histórias e tradições milenares; este é o Daishoin, localizado ao lado de Itsukushima.
O mais famoso e visitado da ilha  é o Santuário Itsukushima, Patrimônio Mundial pela UNESCO.
O Santuário Itsukushima é composto por diversos edifícios - ligados por corredores - e pelo torii, portal xintoísta, construídos na água, que flutuam na maré alta.
Dependendo do horário, em função da maré, torii e santuário podem parecer imersos na água ou completamente visíveis sobre a areia, como se pode perceber nas fotos desta postagem.
O torii atual, que é o oitavo, foi erguido em 1875.

Embora cargas de tufões já tenham pesado sobre essas edificações, as diversas manutenções, como limpeza das algas e nivelamento da areia, têm se mantido resistentes, mostrando a beleza de 800 anos, desde a construção. 

Senjōkaku


Senjōkaku, o templo dos mil tatamis, localizado junto ao Itsukushima Jinja, foi construído há 500 anos. 
É Propriedade Nacional Cultural Importante. Dedicado ao feudal Toyotomi Hideyoshi, é mais um dos templos denominados Toyokuni Jinja.
O templo é praticamente vazio no interior, no entanto, peças preciosas, desenhos e réplicas de objetos estão no teto e nas paredes.
Bastante zen, na sombra e bem ventilado, muitos param para descansar e refrescar.

O conhecido shamoji, colher de arroz, é um símbolo de Miyajima. Dizem que quem inventou foi um monge que lá habitou.
Por isso, está em todos os lugares e em lojas, vendidos como lembranças do local.
O pagode junto ao Senjokaku, foi construído em em 1407 e restaurado somente em 1533. É um dos mais importantes pagodes e um dos 5 maiores do Japão. Com 27,6 metros de altura, é resistente a terremotos e tufões. 
Em Miyajima ainda, existe teleférico pra quem quer subir até ao Monte Misen e apreciar a bela vista da ilha.

Passeios de barcos e caiaques também estão disponíveis. No verão, a praia é acessível até meados de agosto. 

O acesso a Miyajima se dá através de barcos, no cais de Miyajimaguchi, que dura cerca de 10 minutos, apreciando a bela paisagem.
As linhas da JR e Matsuda Kisen fazem o trajeto. O valor por pessoa é 180円. 
Os visitantes  são recebidos pelos alces, uma das atrações. No entanto, diversos avisos estão espalhados com recomendações e as principais são não alimentar, nem jogar lixo. 

É muito comum que esses animais tentem tomar a comida dos turistas. Veja que na imagem abaixo, tomou a sacola de alguém que estava distraído.
Mapa da estação de Miyajimaguchi, de onde sai o ferry boat:
Mais novidades sobre o Japão, curta a >>> fanpage.
Alguns eventos no Canal >>> YouTube.
Siga-nos também no Twitter e no Instagram.

sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Sadako Sasaki, símbolo das vítimas inocentes de Hiroshima

A emocionante história de Sadako Sasaki é como a de muitas crianças, vítimas do bombardeio em Hiroshima.
Sadako Sasaki é símbolo das vítimas inocentes da bomba.
Ela se encontrava a 2 km de distância do ponto zero da bomba, tinha apenas 2 anos de idade.
No momento da bomba, Sadako foi atirada pela janela. A mãe correu para buscá-la e, aparentemente, nada tinha.
10 anos depois foi diagnosticada com leucemia. Sua mãe disse tratar-se da "doença da bomba atômica".
Muitas crianças "adquiriram" leucemia, sendo, mais tarde, comprovado que foi causada pela exposição à radiação da bomba.
Sadako foi internada no Hospital da Cruz Vermelha de Hiroshima.
No hospital, conheceu uma pessoa que lhe contou uma lenda, presenteando-a com um tsuru. Segundo a lenda, quem fizesse 1000 tsurus poderia ter os desejos realizados.
Sadako passou a dobrar tsurus seguidamente. 
Ela queria apenas viver!
Os últimos tsuru de Sadako ficaram pequenos, pois ela já não tinha forças e, para continuar fazendo, usava uma agulha.
Infelizmente, a força da radiação pela bomba foi maior que o milagre da lenda e ela partiu, em 1955.
A partida de Sadako deu origem a um movimento para a construção de um monumento aos filhos mortos pela bomba.
Doações, principalmente de estudantes, vieram do mundo inteiro e, finalmente, 3 anos após sua morte, o monumento foi erguido.
A estátua de Sadako Sasaki, segurando um tsuru dourado, faz parte do Memorial da Paz de Hiroshima. 

O monumento está sempre repleto de tsurus do mundo inteiro e, muito mais, no dia 6 de agosto.
A história de Sadako Sasaki é contada em livros, em diversos idiomas.
Quem não se emocionaria com esta e a de muitas crianças vítimas do bombardeio?
Obama deve ter se emocionado muito:


Ex-Banco do Japão de Hiroshima, um dos edifícios que sobreviveu ao bombardeio

A ex-agência de Hiroshima do Banco do Japão 日本銀行広 - Nippon Ginkō - ficava a 380 metros do epicentro da bomba.
Incrivelmente mantém a mesma aparência inicial.
Além de ser um dos raros edifícios históricos da era Showa, com arquitetura de estilo clássico e rígida estrutura de aço, não foi atingida. 
As janelas estavam fechadas no momento do bombardeio e, apenas o terceiro andar, que estava com as janelas abertas, sofreu danos, sendo totalmente queimado.
Em apenas 2 dias depois, a agência abriu suas portas, para que pudessem efetuar negociações, cedendo espaço para as outras instituições que tiveram seus prédios destruídos.
Considerado Bem Cultural Importante Material pela cidade de Hiroshima, em 2000.
Este edifício sobreviveu à bomba e foi e onde, muitos se abrigaram.
Na imagem abaixo, foto do museu do ex Banco do Japão, em novembro de 1945.
Muitos morreram naquele lugar - disse a guia - num sentimento como se fosse há pouco tempo. Confesso, me arrepiei, quando ela disse isso, sentindo o clima pós explosão, exatamente naquele lugar.
As atividades bancárias do Banco do Japão, em Hiroshima,  foram transferidas para outro distrito, em 1992 e o edifício ficou vazio.
A cidade de Hiroshima alugou o prédio, designando como Valor Cultural Importante, funcionando como museu do próprio Banco.
O Banco do Japão manteve a arquitetura inicial, embora como local de visitação pública, tenham renovados vasos sanitários e usem aparelhos modernos, para que tenhamos imagens da época.

 Uma galeria de quadros, retratando as lembranças da época e os desejos de paz.

Com entrada franca, os visitantes que responderem a um questionário, em japonês, recebem lembranças do Banco.

Endereço: 〒730-0036 広島市中区袋町5-21

Hiroshima-She Naka-ku Fukuro-machi 5 - 21