sábado, 7 de janeiro de 2017

Tenteko Matsuri, o Festival da Colheita de Nishio, Aichi

Pode parecer mais um festival inusitado do Japão. 
Porém, trata-se de um festival milenar - que era realizado antes do plantio do arroz - para orar por boas colheitas.
Dizem que originou-se através do Daijo-sai, um festival em que o Imperador, após a ascensão ao trono, oferece o primeiro arroz a ser colhido no Santuário de Ise.
Percebi, pelo número de pessoas, que o festival também não é muito conhecido.
O nome Tenteko é uma onomatopéia do som do tambor tocando "ten-te-ko-ten".
Os participantes, vestidos de vermelho, desfilam em uma pequena rua do bairro cercado de arrozais, em direção ao santuário, tocando o tambor, balançando os quadris. 
6 homens vestidos de vermelho, chamados yaku otoko (homens representando infortúnios), desfilam atrás do sacerdote e autoridades, além de monges e sacerdotes de outros templos/santuários. 
Dos 6 yaku otoko, 3 deles carregam uma vassoura. Os demais, além do nabo esculpido em formato de falo presos na cintura, carregam tambor, barril de chá, um prato com vegetais e peixe cru. 
Alguns dizem que o peixe cortado representa a genitália feminina.
Quando chegam ao santuário são recebidos com fogos e os últimos 3 desfilam 3 vezes no pátio do santuário. Em seguida, varrem as cinzas já queimadas, abanando nos presentes. Acreditam que as cinzas sejam amuleto de sorte. 

Depois de retirados os nabos e amarrados no pilar de entrada do santuário, entram no edifício para um curto ritual, onde oram e os fiéis lançam galhos de pinheiros no altar, cujo piso lembra as plantações de arroz.
Para terminar, mochinage aos presentes. De forma organizada, crianças são chamadas, ocasião em que são arremessados mochi (bolinhos de arroz) e pacotinhos de salgadinhos. 
Depois, os idosos e a brincadeira começa quando todos podem participar.
Alguns mochi tem a palavra  "atari", que depois podem ser trocados por lamen, tissue e outros brindes.
Assista ao vídeo;

Em 1957, Tenteko Matsuri foi designado Propriedade Cultural Imaterial de Aichi.
O festival é realizado todos os anos, sempre no dia 3 de janeiro, no santuário Niike Hachiman Jinja, no distrito Niike-cho, de Nishio, em Aichi, perto da estação Fukuchi. 
Endereço: 〒445-0881 愛知県西尾市熱池町神田103
Aichi-ken Nishio-shi Niike-chō Kanda 103


Mais novidades sobre o Japão, curta a >>> fanpage.
Alguns eventos no Canal >>> YouTube.
Siga-nos também no Instagram e no Twitter

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Hiwatari, o ritual de purificação de caminhada entre o fogo

Que tal aquecer não só o corpo neste inverno, mas também o coração? E melhor, queimar todas as impurezas emocionais?
Coincidências à parte, os festivais de fogo são realizados no inverno.
Alguns deles são realizados em dezembro, como é o caso dos templos Akiba, para chegar ao novo ano purificados.
Hiwatari é um ritual de purificação de origem budista, de caminhada entre o fogo.
Os seguidores acreditam que a miséria humana deve-se a 3 venenos; desejo (no sentido de cobiça; cobiça no budismo é referido como ganância), raiva e estupidez.
Ao caminhar no meio do fogo, as pessoas aprendem a importância de acalmar a mente, controlar as chamas internas, além do efeito purificador do fogo sobre a mente e o corpo.
Rezam-se também pela família, saúde, progresso financeiro.
Embora pareça extremamente perigoso, é celebrado adequadamente, sem riscos. Obviamente que é preciso caminhar no local indicado, um trilho feito para caminhar sobre ele. Tudo é feito cuidadosamente, pois não se caminha sobre o fogo, nem sobre as brasas. 
Fogo ou brasa são retirados do caminho. Na foto acima, antes de ser ateado o fogo.Tudo é queimado, inclusive a área com galhos verdes. Depois as brasas são retiradas e é onde as pessoas passam.
Crianças e idosos estão, cada vez mais, participando desse ritual. Crianças podem ser acompanhadas dos pais ou com a ajuda dos membros do templo.

Muitas vezes, monges budistas e sacerdotes xintoístas participam em conjunto nessas celebrações.

Mais novidades sobre o Japão, curta a >>> fanpage.
Alguns eventos no Canal >>> YouTube.
Siga-nos também no Instagram e no Twitter

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Fazendas de colheitas de frutas do Japão

Morangos, cerejas, peras, pêssegos, laranjas, kiwi, tangerinas, maçãs, melões, nectarinas, ameixas, uvas... são tantas frutas!
Nem todos tem a oportunidade de morar em uma casa com amplo terreno e um pomar. Quando não é o caso, moram em apartamentos pequenos com pouca ou sem varanda para produzir qualquer tipo de vegetal. Mas existem muitas fazendas no Japão que produzem frutos em grande quantidade e deliciosos!
Embora o Japão importe frutas, sim, produzem muitas, em fazendas.
Muitas fazendas em diversas partes do Japão oferecem a deliciosa experiência de colher as frutas diretamente do pé.
A atividade chamada Furūtsupikkingu ou kari - que junto ao nome de uma fruta muda para gari - é bastante popular no Japão. 
Consiste em pagar uma taxa e colher frutos diretos das árvores e saboreá-los no local.
Uma maneira divertida de saborear frutas e um passeio delicioso familiar.
Cada fazenda tem suas regras, embora sejam parecidas, em geral é pago por um tempo determinado, que podem variar, dependendo da fruta, de 30 a 90 minutos. 
Elas oferecem todo material necessário para colheita, como tesouras, tigelas e tapetes para forrar o chão, se necessário.Em fazendas de morangos, por exemplo, fornecem também, tigela com leite condensado. 
Em alguns casos, as sobras colhidas e não saboreadas podem ser levadas para casa, mas a maioria cobra por elas.
É preciso verificar a necessidade de reserva.
Vejamos por exemplo a colheita de uvas desta fazenda, que colocam as uvas à disposição quando estão no melhor período e devidamente protegidas.
Aqui foi paga uma taxa por um período de 90 minutos. 
Oferece tapete para forrar o chão e sentar, tesoura e tigela.
As fazendas contam com pias para lavar as frutas e, obviamente, lixeiras. Estacionamentos próximos e boas estruturas.

Se você quer realizar a experiência, o outono favorece o passeio, embora todas as estações tenham frutas. Veja >>> AQUI todas as frutas, épocas e  fazendas de colheitas de frutas.